Página inicialPágina inicial



Ligas - Ferro fundido branco

 Ferro Fundido Branco

 
Menos comum que o ferro fundido cinzento, o ferro fundido branco ou NI- HARD é utilizado em peças em que necessite de elevada resistência à abrasão. Os principais segmentos que a JAN GA KI atua no mercado são as Mineradoras (moagem de minérios, pás de escavadeiras, Industrias de bombas e transformadoras e outros componentes similares .
Este tipo de ferro fundido não possui grafita livre em sua microestrutura. Neste caso o carbono encontra-se combinado com o ferro, resultando em elevada dureza e elevada resistência a abrasão. Praticamente não pode ser usinado em seu estado bruto de fusão.
 
Os ferros fundidos com baixo teor de silício apresentam a maioria o carbono  na forma de cementita  em lugar de grafita. O resfriamento de um ferro fundido até uma temperatura logo acima da eutética provoca a formação de dendritas  de austenita primária (fase proeutética). Se a liga é resfriada rapidamente, ao cruzar a temperatura eutética  o líquido restante se solidificará, formando uma microestrutura composta de austenita numa matriz de cementita. À medida que o resfriamento continua, a austenita primária e a austenita eutética rejeitam carbono, sob a forma de mais cementita. À temperatura eutetóide, a austenita terá composição eutetóide e se transformará em perlita (ferrita+cementita). Essa liga, cuja microestrutura pode apresentar dendritas de perlita numa matriz de cementita, é denominada ferro fundido branco. A superfície fraturada dessa liga é de coloração esbranquiçada. Daí o nome ferro fundido branco. Segundo alguns autores, a quantidade de cementita presente no ferro fundido branco é de aproximadamente 30% em volume do produto. Assim, o ferro fundido branco é extremamente duro, com fratura frágil e alta resistentencia à abrasão.
 
Referencias bibliográficas:
MELO, G. H. T; CARMO, D.J. Ferros fundidos brancos ligados – metalurgia e aplicações. Itaúna: SENAI – DRMG, Itaúna: SENAI – DR IX/IG, 2001.
COLPAERI HUMBERTUS, Metalografia dos produtos siderúrgicos comuns; 3° Ed. São Paulo, Edgard Blucher, 1974.