Página inicialPágina inicial



Ligas - Aços inoxidáveis

 

Ligas a base de ferro contendo pelo menos 12% de cromo são chamados aços onoxidaveis. A característica mais importante desse aços é sua resistência a condições corrosivas, ainda que não a todas elas. Os principais tipos disponíveis são os seguintes: aços cromo ferríticos, aços cromo níquel austeniticos, aços inoxidáveis martensiticos e aços inoxidáveis de precipitação endurecivel.

Os aços cromo ferriticos tem um conteúdo de cromo que varia de 12% a 27%. A resistência a corrosão é uma função desse conteúdo, de modo que os materiais que contem menos de 12% de cromo ainda exibem alguma resistência a corrosão, embora possam enferrujar. A endurecibilidade de tempera desses aços é função da quantidade tanto de carbono quanto de cromo. Aços com alto teor de carbono apresentam boa endurecibilidade de tempera até cerca de 18% de cromo, enquanto, em intervalos inferiores de carbono, ela cessa em torno de 13%. Se um pouco de níquel for adicionado, esses aços terão algum grau de endurecibilidade até 20% de cromo. Se o conteúdo de cromo exceder a 18%, eles se tornarão difíceis de soldar, em níveis muito altos de cromo, a dureza se tornará tão grande que muito cuidado e atenção deverão ser prestados às condições de serviços.
Os aços inoxidáveis cromo-niquel retem a estrutura austenitica à temperatura ambiente, portanto, não são receptivos a tratamento térmico. Sua resistência pode ser melhorada pelo trabalho a frio. De fato, esses aços não são magnéticos, a menos que trabalhados a frio. As propriedades de endurecibilidade por trabalho a frio também fazem com que sejam difíceis de usinar. Todos os aços cromo-niquel podem ser soldados. Eles tem propriedades de resistência a corrosão melhores que as dos aços cromo comum. Quanto mais cromo é adicionado para maior resistência a corrosão, mais níquel deve também ser adicionado se as propriedades austeniticas forem retidas.
Os principais aços inoxidaveis que a JAN GA KI produz são os aços em acordo com as normas ASTM A 217, ASTM A 351 entre outras.
 
 
 
Referencia bibliográficas
SHIGLEY E. JOSEPH, MISCHKE R. CHARLES, BUDYNAS G. RICHARD – Projeto de Engenharia Mecânica, 7° Ed., Bookman, 2009.
CALLISTER, Jr., W. D. Materials Science and Engineering: an Introduction. Department of Metallurgical engineering. University of Utah. 4th Ed. Salt Lake City, Utah, 1996 – Section 12.5.